Maioria das ONGs no país prevê diminuição de recursos este ano

Por: Instituto Filantropia
18 Junho 2020 - 00h00

Embora as organizações da sociedade civil venham desempenhando papel de destaque no combate à Covid-19 no país, a maioria delas está sofrendo com a diminuição de recursos para se manter. A situação é tão ruim que uma em cada cinco já declara estar sem fundos para continuar operando.

A revelação é de estudo coordenado pelas consultorias Mobiliza e Reos Partners e cofinanciado pela Fundação Tide Setúbal, Fundação Laudes, Instituto ACP, Instituto Humanize, Instituto Ibirapitanga, Instituto Sabin e Ambev.

A iniciativa conta ainda com parceria técnica da Move Social e de um Comitê Estratégico voluntário, que apoia nas articulações do projeto e na análise dos dados, formado por ABCR, Arredondar, Gife, Move Social, Nossa Causa, Ponte a Ponte, Prosas e Rede de Filantropia pela Justiça Social, além da Rede Filantropia, responsável por editar a revista Filantropia. Também voluntária, a Because faz a identidade visual e os materiais de comunicação.

A pesquisa traz respostas de 1.760 representantes de organizações em todas as regiões do país, a partir de formulários aplicados entre 18 de 31 maio de. O estudo combinou a metodologia quantitativa, por meio de questionário online enviado por e-mail e divulgado amplamente nas redes sociais, com 15 entrevistas qualitativas para aprofundar a compreensão dos dados.

Dos respondentes, 87% relataram ter todas ou parte de suas atividades principais interrompidas ou suspensas por conta da crise. Ainda segundo o estudo, 73% das OSCs relatam que a crise as enfraqueceu muito (36%) ou parcialmente (37%). 

Chama a atenção entre os dados levantados que, mesmo com as restrições financeiras, até o final do ano, a grande maioria das organizações respondentes (87%) prevê continuar as atividades, com grandes (58%), pequenas (24%) ou sem significativa (5%) mudança.

Entre os impactos negativos da pandemia, além da diminuição da captação de recursos (73%), os respondentes também indicaram o distanciamento e dificuldade de comunicação com os públicos atendidos (55%), a diminuição de voluntários ativos (44%) e o estresse e sobrecarga das equipes (40%) como principais pontos.

A pesquisa também perguntou quais foram os impactos positivos da crise: 53% responderam que tiveram aceleração do uso de ferramentas digitais para o trabalho e 40% indicaram mais engajamento e envolvimento da equipe.

Apesar do cenário complexo, 42% dos respondentes esperam que a cultura de doação deva crescer no país, mas com foco em assistência social e saúde e apenas 6% dos respondentes indica uma tendência de encerrar as atividades até o final do ano, o que demonstra um otimismo por parte das OSCs respondentes.

Para se manterem, as necessidades principais indicadas pelos respondentes são recursos para manter seus custos operacionais (69%) e engajamento da sociedade para manter e apoiar suas ações (46%). 

Mais informações, baixe o sumário executivo do estudo em https://mailchi.mp/mobilizaconsultoria/covid19

Fontes: Mobiliza e Reos Partners

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
19.064
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.404
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
30 Jun
2020
Linha emergencial de crédito Conexsus
Prazo
Patrocínio BS2
Prazo
31 Jul
2020
GlobalGiving Accelerator - Virtual Training Program...
Prazo
30 Nov
2020
Stop Slavery Award 2021
Prazo
31 Jul
2020
AEB - Chamamento Público para lançamentos a partir...
Prazo
4 Set
2020
Ideias para o Futuro
Prazo
Matchfunding Enfrente o Corona
Prazo
1 Ago
2020
Todos os olhos na Amazônia
Prazo
1 Ago
2020
The IFREE Small Grants Program
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas

PARCEIROS VER TODOS